CABO VERDE É O SEGUNDO MELHOR PAÍS PARA SE VIVER EM ÁFRICA

O nosso país ficou em segundo lugar do ranking “The Good African Society Index”, um estudo da responsabilidade do Mail & Guardian, uma publicação sul-africana especializada em análises do continente africano.

Dos vários indicadores que compõem a tabela, o arquipélago cabo-verdiano obteve a melhor pontuação em Segurança, Integridade e Justiça, e conseguiu classificações acima da média em Desempenho Económico, Democracia, Liberdade e Governação, Bem-estar Infantil, Meio Ambiente e Infraestruturas, Segurança, Saúde e Sistemas de Saúde, Integridade e Justiça, Educação e Coesão e Medidas de Sustentabilidade Social. O Índice de Qualidade de Vida é liderado pela Tunísia, vindo assim contrariar a ideia de que se vive melhor nos países mais ricos, já que os países africanos com o maior PIB são a África do Sul e o Gabão e o país que liderou o ranking na categoria Desempenho Económico foi o Gana.

Ainda existe um enorme trabalho pela frente em diversas áreas, mas temos que valorizar tudo o que temos construído nos últimos anos para modernizar a nossa sociedade, aproveitando todas as condições naturais e humanas que a nossa terra nos oferece.

É bom termos um reconhecimento internacional, mas para nós não é nenhuma novidade. As nossas ilhas são sem dúvida, uma dádiva dos Deuses.

MAIS IGUALDADE ENTRE OS MEIOS RURAIS E OS MEIOS URBANOS

Depois da excelente notícia relacionada com a renovação do apoio do Banco Mundial a Cabo Verde e da extraordinária descida da taxa de desemprego de forma consecutiva nos últimos 4 anos, eis que surgem novamente boas notícias.

O INE revelou que nos últimos cinco anos, houve uma evolução nas condições de vida dos agregados familiares devido ao aumento do acesso à água, electricidade, saneamento, meios de informação, de comunicação, bens de equipamento e conforto, de acordo com o Inquérito Multi-Objectivos (IMC) de 2015.

Gostaria de salientar 3 pontos fundamentais:
1) População com acesso a Electricidade: 86% (aumento de 6% face a 2010). Em meio urbano os dados apontam para uma estabilização. Em termos rurais o acesso a Electricidade subiu dos 62% em 2010 para os 78% em 2015. Um aumento extraordinário de 16% em 5 anos.

2) População com acesso a água da rede pública: 62% (aumento de 12% face a 2010). Em meio urbano os dados apontam para uma estabilização. Em termos rurais o acesso a água da rede pública subiu dos 50% em 2010 para os 62% em 2015. Um aumento de 12% em 5 anos.

3) População com acesso a instalações sanitárias: 77% (aumentou 13% face a 2010). Uma taxa que em 1990 era de 22% e em 2000 estava situada nos 39%.

Algo que foi trabalhado pelo governo anterior e que considero mais adequado para o nosso país, foi o facto de o crescimento ter-se sempre verificado em meio rural enquanto que em meio urbano houve uma estabilização. Isto vai de encontro à necessidade de termos cada vez mais um país com igualdade e justiça social.